Imagine voltar a enxergar após 16 anos? Pois foi isso o que aconteceu com uma mulher na Espanha.

A deficiente visual Bernardeta Goméz, de 57 anos, utilizou um óculos conectado ao cérebro desenvolvido por cientistas da Universidade Miguel Hernandez e da Universidade de Utah, em parceria com o Hospital IMED Elche, da Espanha.

O dispositivo ainda está em fase de testes, mas já apresenta resultados promissores. Portanto, veja neste post como o novo aparelho permite voltar a enxergar, como foi realizado o estudo e quais são os próximos passos para auxiliar ainda mais pessoas que sofrem com cegueira.

 

A pesquisa

 

Os pesquisadores criaram um óculos equipado com uma câmera que envia as imagens captadas, por meio de sinais eletrônicos, a um computador. Em seguida, o computador manda esses sinais para um dispositivo com 100 eletrodos, implantado na parte traseira do cérebro do paciente. É neste local que está o córtex visual.

Para você entender melhor, o aparelho funciona como o implante coclear, que possibilita ao deficiente visual escutar sons.

Os eletrodos foram colocados no cérebro da primeira voluntária Bernardeta Gómez, por meio de cirurgia. A espanhola ficou cega aos 42 anos, devido a uma neuropatia óptica tóxica.

De fato, há outros estudos nessa área. Porém, esse é o primeiro a não usar os olhos e nervos ópticos para o paciente voltar a enxergar. Nesta pesquisa, os cientistas levaram em consideração que muitas lesões ocorrem no sistema nervoso que conecta a retina. Ou seja, não necessariamente no globo ocular.

 

voltar a enxergar

Foto: divulgação/Eduardo Fernández Jover

 

Os resultados

 

No final de 2018, Bernardeta conseguiu ver após 15 anos. A sua primeira palavra foi “allí” – ali em português, em referência ao que percebeu a sua frente. De fato, a visão ainda é embaçada, com pontos e formas brilhantes, nos tons brancos e amarelos. Mesmo assim, ela foi capaz de reconhecer pessoas, luzes, letras e objetos próximos.

Os testes duraram seis meses, com a paciente frequentando o laboratório quatro vezes por semana. Após esse período, ela passou por um novo procedimento para a retirada do implante. Isso porque o dispositivo ainda não tem aprovação para utilização em longo prazo.

 

Próximos passos

 

voltar a enxergar

Foto: reprodução/Russ Juskalian

 

O estudo continuará com a realização de experimentos em mais cinco pacientes cegos nos próximos anos. Além disso, os pesquisadores estão procurando mais voluntários.

Vale ressaltar que o dispositivo também foi testado em animais, como gato e macaco. Porém, não foi possível mensurar o que eles conseguiram enxergar.

 

Conclusão

 

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a cegueira atinge cerca de 40 milhões de pessoas no mundo todo. Só no Brasil, são 6,5 milhões de pacientes com algum tipo de deficiência visual. Destes, 582 mil são cegos.

Logo, voltar a enxergar é um sonho de muitas pessoas. E também o desafio de muitos cientistas.

Mas, com o desenvolvimento cada vez maior de tecnologias de ponta, como inteligência artificial e machine learning, podemos esperar por resultados positivos em um futuro próximo.

 

Acompanhe as principais novidades na área de oftalmologia no blog da Phelcom.

 

Quero saber em primeira mão