De fato, desenvolver câncer nos olhos é raro. Porém, perigoso. Geralmente, a doença é assintomática, pode evoluir para cegueira e até causar a morte do paciente. Hoje, não há dados ou estimativas da quantidade de casos anuais no Brasil.

São quatro os cânceres intraoculares mais frequentes. Nos adultos, os mais comuns são o melanoma intraocular e o Linfoma não Hodgkin. Já nas crianças, retinoblastoma e meduloepitelioma.

Vamos explicar neste post como ocorre cada um desses tipos de câncer nos olhos, quais são os sintomas e tratamentos.

 

Câncer nos olhos – melanoma intraocular

 

Vamos começar pelo tipo de câncer nos olhos com mais frequência entre os adultos: o melanoma intraocular. Mas, de modo geral, é uma doença rara. Ela se desenvolve a partir do pigmento produzido pelos melanócitos, geralmente na úvea. De fato, há casos na conjuntiva, mas são ainda mais incomuns.

Em seguida, conheça as diferenças da doença na úvea e na conjuntiva.

 

Melanoma uveal

 

Para você entender melhor, vamos explicar como é formada a úvea. Essa camada intermediária do globo ocular contém três partes: íris, coroide e corpo ciliar. Aproximadamente 90% dos tumores nos olhos crescem na coroide ou no corpo ciliar.

Há também melanomas intraoculares que começam na íris. Devido ao ponto pigmentado que surge no local, é possível diagnosticar a doença mais rápido em comparação as outras. Porém, esses tipos de melanomas progridem bem lentamente. Além disso, dificilmente atingem outras partes do corpo. Por esses motivos, os pacientes têm um bom prognóstico.

Os melanomas uveais podem se espalhar pelo sangue e irem para o fígado.

 

Melanoma da conjuntiva

 

A conjuntiva é uma cobertura clara e fina sobre a esclera. Mesmo ainda mais raro, é mais agressivos e se desenvolvem nas estruturas ao redor. Neste tipo, é possível dissemina-se pelo sangue e sistema linfático, atingindo órgãos como pulmões, fígado ou cérebro.

 

Sintomas

 

Infelizmente, a maioria dos pacientes não apresentam sintomas no início. Mas, quando em estágio avançado, podem aparecer alguns sinais. Abaixo, veja os sintomas:

  • Problemas de visão;
  • Manchas no campo de visão;
  • Perda de parte do campo visual;
  • Evolução de um ponto escuro na íris;
  • Mudança no tamanho ou forma da pupila;
  • Alteração na posição do olho dentro de sua órbita;
  • Abaulamento dos olhos;
  • Alteração na forma como o olho se move dentro da órbita.

 

Tratamentos

 

A radioterapia, laserterapia e cirurgia são tratamentos indicados para tumores pequenos e médios. A escolha por um deles ou até todos depende de cada caso e só pode ser definida pelo médico.

Já a cirurgia é a opção nos casos de cânceres grandes. Infelizmente, pode ocorrer a remoção do órgão. Porém, há também a braquiterapia, que também apresenta taxa de cura quase tão alta quanto a cirurgia. Mas, mesmo assim, a visão ainda é seriamente prejudicada.

 

Câncer nos olhos – Linfoma não Hodgkin

 

O Linfoma não Hodgkin é ainda mais raro nos olhos. Isso porque só 2% dos pacientes com essa doença foram acometidos também na região ocular. Felizmente, são curáveis e tem progressão lenta, não afetando muito à visão do paciente.

 

Sintomas

 

Geralmente, os sinais da doença são um olho mais saltado que o outro (conhecido como proptose), uma mancha na conjuntiva ou uma massa palpável na pálpebra. Raramente, há dor, vermelhidão ou visão dupla.

 

Tratamento

 

O tratamento mais empregado é a radioterapia aplicada na região, com poucos efeitos colaterais e alta porcentagem de cura. Entretanto, em casos mais agressivos, há também o uso da quimioterapia.

 

Câncer nos olhos – retinoblastoma

 

O retinoblastoma é o câncer infantil nos olhos mais comum, apesar de raro. O tumor maligno origina-se das células da retina, que é a parte do olho responsável pela visão, podendo afetar um ou ambos os olhos. Geralmente, ocorre antes dos cinco anos de idade. Na verdade, há relatos de bebês que já nasceram com o problema.

 

Sintomas

 

Confira abaixo alguns sintomas que podem surgir:

  • Pupila branca ou rosa, o que gera um reflexo brilhante no olho afetado;
  • Estrabismo;
  • Inflamação;
  • Conjuntivite;
  • Dor;
  • Inchaço;
  • Perca de visão;
  • Vermelhidão da parte branca do olho;
  • Sangramento na parte anterior do olho;
  • A pupila não se contrai, diminuindo de tamanho; quando exposta à luz brilhante;
  • Cor diferente de cada íris.

 

Tratamento

 

Quando diagnosticada no início, a doença é altamente curável. Ou seja, os tratamentos permitem que a criança continue enxergando normalmente. Já nos casos mais avançados, o olho pode precisar ser retirado e ainda o paciente passar por quimioterapia e/ou radiação.

De fato, é uma doença extremamente perigosa e que pode até levar a óbito quando não tratada corretamente.

Recentemente, uma nova pesquisa com vírus geneticamente modificado conseguiu reduzir o tumor e evitar a metástase.

 

Câncer nos olhos – meduloepitelioma

 

É o segundo tipo mais comum de câncer nos olhos infantil. Mas, ainda assim é muito raro. A doença afeta o corpo ciliar, mas há casos no nervo óptico e na retina. Apresenta desenvolvimento lento, contudo agressivo. É incomum causar metástase.

A média de idade em que mais aparece é entre 4 e 7 anos, tanto em meninas quanto em meninos.

 

Sintomas

 

Em seguida, conheça as manifestações clínicas mais frequentes:

  • Perda visual;
  • Presença de massa branca retrolental;
  • Dor;
  • Um dos olhos saltados (proptose);
  • Catarata;
  • Glaucoma.

 

Tratamento

 

De fato, o tratamento mais utilizado é a retirada do olho afetado, conhecido como enucleação.

 

Conclusão

 

Agora, você conhece os tipos mais comuns de câncer nos olhos: melanoma intraocular e Linfoma não Hodgkin, em adultos, e retinoblastoma e meduloepitelioma, em crianças.

Apesar de raros, é essencial realizar exames rotineiros, indicados pelo médico, para diagnosticar a doença no início. Desse modo, as chances de cura são mais altas e a as possíveis sequelas nulas ou menos graves.

 

Quer saber mais sobre a saúde dos olhos? Então, acompanhe o blog da Phelcom.

 

Inscreva-se