De fato, a recomendação de isolamento social durante a pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2) tornou o atendimento médico mais restrito. Isso porque a orientação é adiar consultas, procedimentos e/ou cirurgias eletivas para garantir a saúde de pacientes e profissionais.

Pensando em auxiliar a população neste momento, o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) lançou o projeto “Brasil que Enxerga”. Com uma equipe de mais de 100 especialistas voluntários, a plataforma oferece teleorientação em oftalmologia gratuitamente para todo o país.

Em seguida, conheça mais sobre o serviço, os objetivos e como ser um voluntário.

 

Teleorientação em oftalmologia – Brasil que Enxerga

 

No final de abril, o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) lançou a plataforma on-line “Brasil que Enxerga”. O programa busca levar assistência à saúde ocular dos brasileiros por meio de teleorientação em oftalmologia durante a pandemia da Covid-19.

Essa modalidade da telemedicina foi liberada recentemente com a Lei nº 13.989, de 15 de abril de 2020.

O vice-presidente do CBO, Cristiano Caixeta, explica que a iniciativa é uma política de saúde que engloba ações de assistência, educação e acesso à saúde ocular. Ou seja, essencial no atual cenário que vivemos.

Vale ressaltar que o serviço não é teleconsulta. Por exemplo, não há prescrição de receitas ou solicitações de exames. Mas sim uma orientação para aqueles que enfrentam problemas oculares atualmente.

Dessa maneira, o paciente pode até ser encaminhado para uma consulta presencial, de acordo com o local em que reside.

Para você entender melhor, o oftalmologista e coordenador do projeto Alexandre Chater Taleb explica que “a teleorientação consiste na interação direta entre o médico e o paciente através de tecnologias de comunicação e informação para que o médico possa orientar medidas gerais de saúde em relação às diversas condições”.

 

Voluntariado

 

teleorientação em oftalmologia

 

O serviço é completamente voluntário. Atualmente, mais de 100 oftalmologistas atuam na plataforma. Porém, a expectativa do CBO é que esse número cresça cada vez mais.

Se você é um especialista e está interessado em participar do projeto, entre em contato com o CBO.

 

Teleorientação em oftalmologia – como acessar

 

Para utilizar o serviço, os interessados devem agendar a teleorientação por meio de um formulário simples disponível no site www.brasilqueenxerga.cbo.com.br.

Após informar os dados, você escolherá o dia e horário disponível no sistema. Depois disso, receberá as orientações para acesso a sala virtual para a conversa com o médico.

Durante o bate-papo, o oftalmologista pode avaliar que você precisa ser atendido presencialmente. Dessa forma, ele te orientará a acessar uma lista de especialistas de urgências e emergências da sua região disponível no site do programa.

 

Conclusão

 

De acordo com o último levantamento realizado pelo CBO, em 2019, apenas 29% dos municípios brasileiros contam com oftalmologistas. Por outro lado, essas localidades abrigam 79% da população do país.

Mesmo assim, estamos falando em mais de 44 milhões de brasileiros sem especialista em suas cidades. A Região Norte, por exemplo, tem a pior proporção oftalmologista/habitantes preconizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para países desenvolvidos, de 1/17.000. Atualmente, a área possui uma relação de 19.742 cidadãos para cada oftalmologista.

Por isso, iniciativas como a do CBO são importantíssimas para levar o acesso à saúde ocular em locais com pouca infraestrutura e falta de médicos, demais profissionais, exames, medicamentos, dentre outros.

 

Acompanhe as principais novidades na área de oftalmologia no blog da Phelcom.

 

Inscreva-se