De fato, há um leque de opções em especialidades médicas para os recém-formados – ou para aqueles que pretendem mudar de área. Porém, após a conclusão da especialização, o médico pode ainda escolher um subespecialidade para exercer.

No caso da oftalmologia, o profissional que deseja cuidar de crianças tem um campo de atuação específico: a oftalmologia pediátrica – ou oftalmopediatria.

Sem dúvida, o oftalmopediatra é essencial para a saúde visual dos pequenos. Portanto, entenda neste post o que é oftalmologia pediátrica e qual é a formação necessária para atuar nesse setor.

Ah, também vamos dar duas dicas para começar bem nessa profissão.

 

Oftalmologia pediátrica – o que é

 

Basicamente, a oftalmologia pediátrica é a subespecialidade da oftalmologia voltada ao diagnóstico e tratamento de doenças oculares que se manifestam na infância. A área também acompanha o desenvolvimento da visão das crianças. Normalmente, o pediatra encaminha o paciente mirim para a consulta com o especialista após a identificação de possíveis problemas nos olhos.

Mas, os pais também podem – e devem – levar o filho ao oftalmologista pediátrico. Aliás, não apenas se ele apresentar alterações na visão ou nos olhos, mas também para um check-up rotineiro. Neste caso, principalmente se houver histórico na família de distúrbios oculares.

 

Oftalmologia pediátrica – especialização

 

Para tornar-se um oftalmologista pediátrico, primeiro o médico precisa fazer residência em oftalmologia por três anos. Em seguida, aprofundar-se em oftalmologia pediátrica em uma pós-graduação da área, com duração média de dois anos.

 

Oftalmologia pediátrica – importância

 

oftalmologia pediátrica

 

A oftalmopediatria cuida desde disfunções mais comuns, como erros de refração, até malformações congênitas. Dessa maneira, é mais completa e eficaz para a saúde dos olhos da criança.

De fato, a maioria das doenças oculares na infância é tratável e recuperável quando diagnosticadas ainda no início. No entanto, quanto mais tarde os pais identificarem o problema e procurarem ajuda, pior para a criança. Isso porque pode prejudicar o rendimento na escola, atrapalhar a vida social e até evoluir para cegueira.

E o oftalmopediatra pode evitar tudo isso.

 

Dicas para o oftalmologista pediátrico

 

Bom, você decidiu que será um oftalmologista pediátrico? Parabéns! Agora, nós separamos duas dicas para você começar nesse ramo.

 

Construa um bom relacionamento com a criança

 

Realmente, o consultório médico pode assustar a garotada. Portanto, é essencial ter paciência e saber se relacionar com o pequeno. Por exemplo, não force a realização de exames, principalmente no primeiro encontro, mesmo sabendo o quanto ele é importante naquele momento.

Por outro lado, tornar as avaliações uma brincadeira pode ter adesão da criança, além de relaxá-la e deixar o clima mais leve.

 

Faça um consultório infantil

 

Que tal preparar o ambiente para a recepção do seu paciente mirim? Para isso, invista na decoração e em brinquedos e objetos educativos que o mantenha focado. Desse modo, pode-se facilitar a realização dos exames.

Além disso, ele vai adorar voltar nas próximas consultas.

 

Conclusão

 

Agora, você sabe o quanto é essencial a subespecialidade de oftalmologia pediátrica na saúde visual das crianças. Para tornar-se um oftalmopediatra, o médico precisa primeiro especializar-se em oftalmologia. Em seguida, estudar esse ramo em média mais dois anos.

Com uma especialização tão específica, o diagnóstico e tratamento de doenças oculares infantis são muito mais completos e eficazes.

 

Você se interessa por conteúdo para médicos? Então, acompanhe o blog da Phelcom.

 

Inscreva-se