De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o glaucoma atinge 70 milhões de pessoas no mundo. Só no Brasil, a estimativa é de 1,2 milhão de casos, segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO). Atualmente, a doença é a principal causa de cegueira irreversível, mesmo havendo tratamento para glaucoma.

Hoje, a primeira opção de tratamento é o uso de colírios para reduzir a pressão intraocular. Cirurgias ou intervenções com laser são adotadas apenas quando o medicamento deixa de surtir efeito.

Entretanto, um estudo publicado no jornal The Lancet, da Inglaterra, descobriu que o uso de laser, por meio da técnica trabeculoplastia seletiva, pode ser mais vantajoso no controle da doença. Assim sendo, a pesquisa indica que esse método substitua o colírio como primeira opção.

Portanto, entenda neste post como foi desenvolvido esse trabalho e os resultados. De fato, o estudo pode revolucionar a forma como é realizado o tratamento para glaucoma atualmente.

 

O estudo

 

Financiada pelo Instituto Nacional de Pesquisa em Saúde da Inglaterra, a pesquisa avaliou 718 pacientes com glaucoma de ângulo aberto ou hipertensão ocular em dois grupos distintos. No primeiro, 365 pessoas realizaram a trabeculoplastia seletiva. Já no segundo, 362 portadores da doença fizeram o tratamento com colírios.

 

Resultados

 

Sem dúvida, os resultados foram promissores. Após dois anos e meio, 74% dos pacientes que receberam o tratamento com trabeculoplastia seletiva não utilizavam mais colírios diariamente. Além disso, a pressão intraocular estava correta em 93% das consultas médicas realizadas. Esse número é um pouco maior em comparação ao grupo do colírio: 91%.

Ainda no segundo grupo, 11 pessoas precisaram de cirurgia para diminuir a pressão intraocular dos olhos.

 

Tratamento para glaucoma: laser x colírios

 

tratamento para glaucoma

 

De fato, o trabalho mostrou que os dois tipos de tratamento para glaucoma possuem praticamente a mesma eficácia. Porém, os pesquisadores defendem que o laser apresenta outras vantagens. Em seguida, veja quais são:

  • A trabeculoplastia a laser seletiva reduz a pressão intraocular, aumentando o fluxo aquoso por meio da rede trabecular com apenas um procedimento, sem dor, com tempo de recuperação mínimo e bom perfil de segurança;
  • Medicamentos tópicos de longo prazo estão associados a múltiplos efeitos colaterais oculares e sistêmicos. Com essa técnica, é possível evitar os danos colaterais já que pode retardar ou prevenir a necessidade de colírios;
  • O procedimento não tem efeito permanente, mas pode ser repetido;
  • O tratamento pode reduzir os custos do paciente com deslocamentos para exames e consultas e na compra de medicamentos;
  • A trabeculoplastia seletiva pode combater à baixa adesão ao tratamento com colírios, já que é necessário treinamento, dedicação e disciplina em longo prazo.

 

Conclusão

 

Por fim, o estudo afirma que a trabeculoplastia a laser seletiva deve ser oferecida como a primeira opção de tratamento para glaucoma de ângulo aberto e hipertensão ocular. Desse modo, o trabalho incentiva uma mudança nas diretrizes de controle da doença.

Contudo, isso levará algum tempo, pois precisa ser discutido pela sociedade, médicos, órgãos competentes e governo.

 

Acompanhe as principais novidades em pesquisas e estudos na área de oftalmologia. Para isso, assine o nosso blog e fique por dentro.

 

Inscreva-se