Em constante evolução, o uso de inteligência artificial na área de saúde apresenta resultados inovadores e promissores. Por exemplo, a tecnologia de ponta tem possibilitado diagnósticos mais rápidos e precisos. Sem dúvida, isso pode combater a progressão de várias doenças, impactando diretamente na saúde do paciente e na redução dos gastos em tratamentos, dentre outros inúmeros benefícios.

Na área de oftalmologia, uma pesquisa recente realizada pelo Google mostrou que o uso de IA pode melhorar a precisão diagnóstica dos médicos. Ou seja, o estudo indica que oftalmologistas e algoritmos são mais eficazes quando trabalham juntos.

Atualmente, há estudos notórios e novas tecnologias que comprovam as vantagens da inteligência artificial na oftalmologia. Em seguida, veja neste post algumas dessas pesquisas e inovações e como o IA vem revolucionando o setor.

 

Eyer: aparelho portátil faz exames de retina pelo celular

 

Novidade no mercado, o retinógrafo portátil Phelcom Eyer funciona acoplado a um smartphone. O aparelho realiza exames de retina de alta qualidade, em poucos minutos e sem a necessidade de dilatação da pupila. Integrado a uma plataforma online, os dados são enviados automaticamente e podem ser analisados por um especialista em qualquer lugar do mundo. Ou seja, permite o diagnóstico remoto.

Sem dúvida, o Eyer oferece o que há de mais moderno em retinografia portátil para prevenção e diagnóstico de doenças relacionadas à visão. Em seguida, conheça as vantagens do equipamento:

  • Exame de retina pelo celular com alta qualidade;
  • Diagnósticos precisos e rápidos;
  • Custo mais baixo em relação aos retinógrafos tradicionais;
  • Portabilidade, o que permite realizar exames em vários locais;
  • Democratização dos exames de retina, principalmente em locais com pouca infraestrutura de serviços de qualidade na área, como médicos, profissionais de saúde, equipamentos, medicamentos etc;
  • Maior rapidez no atendimento, por meio de sistemas informatizados integrados a uma plataforma online com acesso via computadores, celulares e tablets;
  • Facilidade na realização de exames, que podem ser feitos em clínicas e postos de saúde;
  • Diagnóstico feito por especialistas e profissionais de referência, localizados em qualquer lugar do mundo;
  • Redução do tempo de atendimento e de custos operacionais;
  • Diminuição do deslocamento de pacientes a hospitais e grandes centros urbanos;
  • Melhora na qualidade dos laudos emitidos;
  • Sem utilização de colírios para a dilatação da pupila;
  • Aumento na prevenção e diagnóstico precoce de doenças como retinopatia diabética, glaucoma, catarata, degeneração macular, retinoblastoma, deslocamento da retina, retinopatia da prematuridade e cegueira, dentre outros.

As doenças que atingem a retina, como retinopatia diabética e glaucoma, são alguns dos distúrbios que causam deficiência visual grave e cegueira. Atualmente, mais de 250 milhões de pessoas no mundo sofrem com esses problemas. Ao todo, 75% dos casos ocorrem por falta de prevenção, diagnóstico precoce e tratamento correto.

 

aparelho portátil faz exames de vista pelo celular

 

Glaucoma: nova tecnologia permite diagnóstico mais rápido e preciso

 

Uma nova tecnologia utilizando inteligência artificial na oftalmologia detecta o glaucoma de forma mais rápida e precisa. A ferramenta foi desenvolvida pelos pesquisadores e professores Edson Satoshi, da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli/USP), e Vital Costa, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

A tecnologia utiliza o princípio de machine learning. Isto é, avalia uma alta quantidade de dados oriundos de laudos de pacientes com suspeita da doença – os exames analisados são os de campo visual e Tomografia de Coerência Óptica (TCO). Dessa forma, a ferramenta consegue identificar automaticamente a probabilidade de glaucoma e fazer uma espécie de pré-triagem.

Com isso, um oftalmologista-geral pode confirmar os casos selecionados pela máquina como suspeito de glaucoma. E, em seguida, encaminhar os pacientes para atendimento oftalmológico especializado nesta doença.

Atualmente, o diagnóstico de glaucoma exige diversos exames. Além disso, a doença não apresenta sintomas na fase inicial, o que complica ainda mais a detecção precoce.

Por isso, essa nova pesquisa pode auxiliar bastante no controle do glaucoma. Hoje, 70 milhões de pessoas no mundo todo sofrem com a doença, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Só no Brasil, são 900 mil casos.

 

Inteligência artificial do Google detecta retinopatia diabética e edema macular

 

O Google, por meio da sua startup Verily, desenvolveu uma inteligência artificial que consegue identificar retinopatia diabética e edema macular diabético. Isso apenas ao analisar fotos de pessoas com sinais dessas doenças. Ao todo, milhares de imagens são analisadas e utilizadas como referência para o diagnóstico.

Mesmo detectando as doenças sem o auxílio de médicos oftalmologistas, a ideia é utilizar o programa para fazer uma pré-triagem. Assim, as pessoas que apresentam indícios de um dos distúrbios são encaminhadas para consultas médicas.

O programa começou a ser testado recentemente em pacientes do Hospital Aravind Eye, na Índia, e já apresenta resultados promissores.

Com toda a certeza, essa tecnologia deve proporcionar mais rapidez e facilidade nos diagnósticos e tratamentos desses problemas.

 

Tecnologia detecta glaucoma com precisão de 94%

 

Uma pesquisa realizada pela IBM e a Universidade de Nova York, ambas dos Estados Unidos, desenvolveu uma tecnologia que detecta automaticamente e com precisão de 94% o glaucoma. A pesquisa contou com amostras de 649 pacientes, sendo 432 portadores da doença e 217 pacientes saudáveis.

Com o estudo, os pesquisadores conquistaram o objetivo principal: utilizar a inteligência artificial para ajudar os médicos a diagnosticar esta doença de maneira mais eficiente. A tecnologia utiliza o exame de OCT (Tomografia de Coerência Óptica) da retina e consegue detectar o glaucoma na mesma hora.

Agora, o próximo passo da pesquisa é investigar os potenciais biomarcadores do glaucoma. De fato, isso pode levar a um entendimento mais profundo do distúrbio.

 

Conclusão

 

Com toda a certeza, os algoritmos inteligentes irão revolucionar a oftalmologia e auxiliarão os serviços de saúde a melhorar sua produtividade e atender mais pessoas. E, sem dúvida, isso é essencial para democratizar o acesso à saúde. Principalmente em locais com pouca infraestrutura de serviços de qualidade na área, como médicos, profissionais de saúde, equipamentos, medicamentos etc.

 

Inscreva-se no nosso blog e acompanhe todas as novidades em inteligência artificial na oftalmologia.

 

Assine aqui