Cada vez mais, a telemedicina confirma o seu indiscutível potencial na qualificação dos processos assistenciais na área de saúde. Inclusive, na medicina da família. Isso porque os resultados promissores já comprovam os inúmeros benefícios do emprego dessa especialidade na saúde básica.

O rápido intercâmbio dos dados dos pacientes, muitas vezes por meio de inteligência artificial e softwares de alta tecnologia, permitem o diagnóstico, prevenção e tratamentos realizados por especialistas remotos. Ou seja, levam o acesso à saúde de qualidade para comunidades distantes e com déficits sérios em infraestrutura. Além disso, possibilita a formação contínua dos profissionais e fornece informações para avaliações e pesquisas que geram melhorias em todo o setor.

Por exemplo, a emissão de laudos à distância, uma das áreas da especialidade no Brasil, consegue atender com excelência alguns dos principais objetivos dos programas de saúde da família: o diagnóstico precoce e o encaminhamento correto para serviços de média e alta complexidade. Isso porque proporciona agilidade e efetividade ao processo de triagem. E, além de melhorar a qualidade de vida do paciente, essas ações reduzem custos evitáveis no SUS.

Atualmente, uma das especialidades médicas que vem ganhando muito com o uso da telemedicina na saúde da família é a oftalmologia. E não apenas os pacientes, mas os médicos também, pois aumenta a produtividade e diminui os gastos do consultório e/ou instituições médicas.

Com toda a certeza, a telemedicina faz a diferença na triagem oftalmológica dentro da medicina da família. Mas, como utilizá-la da melhor forma? Em seguida, entenda neste post como funciona a emissão de laudos à distância e conheça um equipamento inovador no mercado que vem mudando a maneira de fazer exames oftalmológicos.

 

Telemedicina no Brasil

Em primeiro lugar, vamos entender rapidamente como funciona a telemedicina no Brasil. A Resolução nº 1.634/02, publicada em 2002, regulamenta a atividade no país. Atualmente, são permitidas três frentes: teleassistência, teleducação e emissão de laudos à distância. Em seguida, conheça cada uma delas:

 

Teleassistência

Monitoração do paciente em sua própria casa ou no hospital. O médico responsável troca informações com outros especialistas, como dados de exames e de diversos procedimentos médicos, por meio de plataformas online.

 

Teleducação

Capacitação de profissionais da saúde que atuam em locais com pouca infraestrutura e dificuldade de acesso às atualizações da área.

 

Emissão de laudos à distância

É a principal frente da telemedicina no Brasil e a que mais cresce. O exame pode ser feito em qualquer lugar e laudado por médicos – que também podem estar em qualquer localização – por meio de softwares online com acesso via computador, celular ou tablet.

 

Triagem oftalmológica na medicina da família – Eyer

 

 

retinografia para neurologistas

 

 

A triagem oftalmológica na área de medicina da família ocorre dentro da Emissão de Laudos à Distância. Para isso, é possível utilizar um equipamento que realize os exames e disponibilize, automaticamente e em tempo real, os dados em um sistema online: o Phelcom Eyer.

O Eyer é um retinógrafo portátil que funciona acoplado a um smartphone. O aparelho realiza exames de retina de alta qualidade, em poucos minutos e sem a necessidade de dilatação da pupila.

Com ele, é possível fazer as triagens de forma mais rápida, efetiva e com custos baixos. Sem dúvida, o Eyer é o que há de mais moderno em retinografia portátil e para prevenção, diagnóstico e controle de diversos distúrbios que afetam a saúde dos olhos.

Por exemplo, a inteligência artificial embarcada fornece funções inteligentes para auxílio ao diagnóstico médico e a captura dos exames de retina. Já a conectividade facilita o compartilhamento e acesso de dados dos exames na nuvem, no Eyer Cloud, habilitando o diagnóstico remoto.

Outros diferenciais do aparelho são a portabilidade e o valor mais acessível da tecnologia. Ele custa aproximadamente US$ 5 mil contra US$ 120 mil do retinógrafo tradicional, que ainda necessita de integração com o computador.

 

Telemedicina na medicina da família – vantagens

 

Com toda a certeza, a diminuição da distância, com acesso de qualidade a um processo de triagem oftalmológico efetivo, é uma das principais vantagens da telemedicina aplicada na medicina da família. Além disso, também pode ser empregada na discussão de casos clínicos e segunda opinião formativa.

No Brasil, a telemedicina tem uma enorme capacidade de unificar e qualificar o atendimento da atenção básica à saúde através de ações de teleducação, teleassistência e emissão de laudos à distância. Desse modo, contribui para aperfeiçoar a qualidade do atendimento e assistência ao realizar teleconsultas, permitir a segunda opinião de forma mais rápida e laudar exames remotamente, por exemplo.

 

 

Em seguida, conheça todas as vantagens do uso da telemedicina na medicina da família:

  • Aumento do contato e troca de informações entre médico e paciente, gerando também maior acolhimento;
  • Democratização do acesso à saúde, principalmente em locais com pouca infraestrutura de serviços de qualidade na área, como médicos, profissionais de saúde, equipamentos, medicamentos etc;
  • Maior rapidez no atendimento, por meio de sistemas informatizados integrados a plataformas online com acesso via computadores, celulares e tablets;
  • Garantia de segurança e sigilo de dados;
  • Acesso a especialistas e profissionais de referência;
  • Redução do tempo de atendimento e de custos operacionais;
  • Facilidade na troca de informações entre os serviços de saúde;
  • Diminuição do deslocamento de pacientes a hospitais e grandes centros urbanos;
  • Facilidade na realização de exames, que podem ser feitos em clínicas e postos de saúde;
  • Melhora na qualidade dos laudos emitidos;
  • Acesso às capacitações e atualizações para os profissionais da saúde.

 

Conclusão

 

Por fim, você viu como a telemedicina pode atuar na área de medicina da família com resultados incríveis e promissores. Por exemplo, o processo de triagem oftalmológica ganha mais velocidade, qualidade e custos menores. Tudo isso permite o diagnóstico precoce e o encaminhamento correto para os serviços de saúde.

Além de todos os benefícios para o paciente, também contribui significativamente para a melhora da produtividade, resultados mais eficazes e redução dos custos operacionais dos consultórios e/ou hospitais.

Sem dúvida, é uma especialidade que deve entregar cada vez mais benefícios para as duas pontas do sistema: paciente e médico.

 

Acompanhe o blog da Phelcom e fique por dentro das principais novidades da Telemedicina.

 

Inscreva-se