O Ministério da Saúde acaba de aprovar a inclusão de um novo medicamento no Sistema Único de Saúde (SUS) para tratamento do Edema Macular Diabético (EMD). A doença é uma das principais causas de perda da visão em pessoas com diabetes tipo 1 e 2. Estima-se que cerca de 40% dos diabéticos sofrem com problemas nos olhos, de acordo com estudo da Sociedade Brasileira de Oftalmologia (SBO).

Atualmente, a diabetes afeta mais de 14 milhões de pessoas no Brasil, segundo dados da International Diabetes Federation (IDF). Deste modo, o país é o quarto com mais diabéticos no mundo todo. Fora isso, estima-se que 40% da população nem sequer saibam que possuem a doença.

Em seguida, conheça neste post qual é o novo tratamento para Edema Macular Diabético (EMD) oferecido pelo SUS.

 

Aflibercepte

 

Em novembro, o Ministério da Saúde publicou portaria aprovando a oferta do Aflibercepte no SUS. O medicamento é uma injeção que é aplicada no olho para bloquear a proliferação dos vasos sanguíneos da retina, que levam ao agravamento da doença. Dessa forma, evita-se a cegueira.

A decisão do Ministério da Saúde foi publicada por meio da portaria nº 50, de 5 de novembro de 2019, no Diário Oficial da União (DOU). O medicamento estará disponível à população em 180 dias, a partir da data da publicação da portaria.

O Aflibercepte é mais um tratamento ofertado no SUS para Edema Macular Diabético (EMD), que já conta com anti-inflamatórios, diuréticos, corticoides, fotocoagulação por raios laser e medicamentos para controlar a diabetes.

 

Edema Macular Diabético (EMD)

 

O edema macular diabético (EMD) é consequência da retinopatia diabética (RD). A doença atinge a região da mácula, parte do olho responsável por levar a imagem ao cérebro.

Assintomático na fase inicial, os sinais só se manifestam conforme o problema evolui. Dentre os principais sintomas, estão a deformidade de imagens, sensibilidade ao contraste, fotofobia, mudança na visualização das cores e alterações no campo de visão. Se não diagnosticado em tempo, o edema macular pode causar cegueira irreversível.

Não existe cura para a retinopatia diabética. Desse modo, os esforços terapêuticos são concentrados nos fatores de risco para o aparecimento e agravamento da doença. Além disso, no tratamento cirúrgico das lesões com alto risco de evolução para cegueira.

 

Diabetes na visão

 

De fato, os altos níveis de glicose no sangue devido à diabetes podem causar várias doenças oculares, como a retinopatia diabética – que é a mais frequente delas, o glaucoma, a catarata e o edema macular diabético. Todas elas, se não tratadas, podem evoluir para cegueira.

Hoje, 250 milhões de pessoas sofrem com doenças visuais graves e cegueira no mundo. Destes, 75% poderia ser evitado, por meio de cuidados básicos como exames e consultas médicas, afirma a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Então, se você é diabético, é obrigatório dar uma atenção especial à saúde dos seus olhos.

 

Conclusão

 

Por fim, a inclusão de mais um tratamento para Edema Macular Diabético (EMD) no SUS auxiliará no controle das complicações da diabetes e no combate da cegueira no Brasil.

Saiba sobre todas as novidades na área de saúde dos olhos. Acompanhe o blog da Phelcom.

 

Inscreva-se