Você já parou para contar quantas horas passa por dia no celular? De acordo com uma pesquisa realizada pela empresa Statista, o brasileiro ficava em média quatro horas e 48 minutos utilizando o aparelho em 2016. Na época, foi a média mais alta do mundo. E, se ainda esse número dobrou em relação há dois anos antes, imagina quanto tempo passamos navegando por ele hoje.

É fato que atualmente vivenciamos a “era das telas”. Estamos sempre em frente a uma tela, seja a do smartphone, do computador ou da televisão. E, claro, isso já está gerando consequências para a saúde. Principalmente para a dos olhos.

Visão turva, cansaço ocular e até a necessidade de óculos de grau são alguns dos problemas que tiveram aumentos significativos nos últimos anos. Coincidência? Especialistas da área dizem que não.

Neste post você verá como o uso em excesso do celular pode causar problemas de visão, quais são as principais disfunções e dicas para prevenir-se.

 

 

O que acontece

 

O que afeta os olhos é a luz azul da tela do celular. A exposição frequente à radiação por fototoxicidade gera efeitos que vão se acumulando nas células da retina, danificando-a. Nos casos mais graves, pode ocasionar a degeneração da mácula, responsável pela visão central.

Outra situação é que piscamos menos devido à força que a visão faz para focar – esse movimento é inconsciente. Neste caso, ocorre a falta de lacrimação, o que prejudica a saúde dos olhos.

 

Problemas de visão

 

Olhos cansados, secos e irritados são os sintomas mais comuns do uso abusivo do celular. Mas, ainda há problemas maiores que podem ocorrer. Confira:

 

Falsa miopia

 

Quando os olhos não conseguem focar à distância por alguns instantes é chamado de falsa miopia. Na verdade, é a visão que ficou embaçada por causa do esforço maior que fizemos para manter o foco da visão por um período prolongado.

 

Dor de cabeça

Assim como os olhos, a cabeça e a mente também podem sofrer com dores, cansaço e fadiga. Portanto, é o mesmo problema: grande esforço para manter o foco da visão por um longo tempo em frente a uma tela pequena e com imagem reduzida.

Neste caso, é só deixar o celular de lado e descansar para melhorar os sintomas.

 

Cegueira temporária

Esse problema ocorre quando o cérebro demora um pouco para acostumar os olhos à claridade. Pois, quando dormimos, a nossa visão se adapta ao escuro. E, na hora que acordamos, já pegamos o celular.

E o que acontece? Não conseguimos manter os dois olhos abertos juntos. Então deixamos um aberto e outro fechado. E é nesse momento que o cérebro entende que o olho fechado é cego e demora um pouco mais para se adaptar à luz.

 

 

Degeneração macular

Com toda a certeza, um dos problemas mais sérios que o uso excessivo do celular pode causar. Uma pesquisa recente realizada pela Universidade de Toledo, em Ohio, nos Estados Unidos, aponta que a luz azul das telas torna algumas moléculas do olho tóxicas, desgastando o globo ocular e gerando a degeneração macular. No longo prazo, pode gerar cegueira.

 

Previna-se

 

Em seguida, veja algumas atitudes simples que podem ajudar a manter a visão saudável:

  • Pisque muito;
  • Adeque o brilho;
  • Ajuste o contraste;
  • Diminua o reflexo;
  • Use o filtro de luz azul;
  • Faça pausas regulares;
  • Nos intervalos, faça o exercício de focar em objetos que estão distantes. Isso relaxa a musculatura;
  • Limpe a tela;
  • Mantenha uma distância boa da tela em que não force a visão.

 

Conclusão

 

De fato, os estudos demonstram que estamos cada vez mais conectados pelo celular. Aliás, a tendência é aumentar ainda mais o tempo que passamos respondendo mensagens, curtindo fotos nas redes sociais e assistindo vídeos, dentre outras coisas, pelo aparelho.

Mas, você viu que o uso excessivo do celular pode causar problemas de visão. Portanto, a palavra-chave aqui é moderação para garantir a saúde dos seus olhos não só neste momento, mas também no futuro.

 

Saúde dos olhos é um dos temas preferidos aqui no blog da Phelcom Technologies. Acompanhe e esteja por dentro das principais novidades e temas da área.

 

Assine a newsletter